19 de jul de 2012

O vendedor de sonhos


Acabei de ver e ler uma materia sobre o meu trabalho feita pelo colunista Frank Menezes, publicada na Revista da Cidade - encarte dominical do Jornal da Cidade, que circula em Aracaju/SE. Confesso que ela encheu-me de orgulho e resolvi então traçar estas linhas abaixo:

Quando inciei meu trabalho, não poderia imaginar a extensão que ele poderia vir a tomar. Hoje, passados oito anos e meio de lutas, conquistas, aprendizados e vitórias, posso intuir que estou de fato chegando lá. E você pode perguntar: "Lá, aonde?". Aí eu lhe respondo: - "Lá para mim é o lugar para onde todos deveríamos um dia irmos, enquanto nos é dada a oportunidade de vivermos. Lá é o lugar aonde a sua alma se encontra. Lá é o lugar onde somente você pode ir; você e mais ninguém. Lá é o lugar em que não se chega de moto, carro, caminhão, foguete ou avião. Lá é o lugar onde somente a sua imaginação e criatividade têm a chave para entrar. Lá para mim é o encontro comigo mesmo, no mais íntimo dos íntimos recônditos."

E para terminar, um dia um curioso a me ver trabalhando perguntou-me: "O que você vende?". Eu llhe respondi: - "Sonhos, eu vendo sonhos.". E você, vende o quê?


Eis imagens da matéria da Revista da Cidade. Para ler o texto, clique aqui.


PS: Fiz o auto-retrato do início do post a partir da imagem captada de uma foto tirada por minha filha Marina no meu iFone. Ao terminá-lo, vi que eu aparentava muito menos idade do que realmente tenho. Acredito que eu deva ter captado a imagem de minha alma que - certamente - não tem idade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário