29 de set de 2011

Cheirada. Cantada. Declamada. Bordada. Filmada. Gravada. Ofertada. Com vocês: a rosa!


Ela já emprestou seu nome a livro e filme: O NOME DA ROSA.


Ela já foi nome de novela: UMA ROSA COM AMOR.


Ela já batizou banda de rock: GUNS AND ROSES.


Ela já fundou escola de samba: ROSAS DE OURO.


Ela já foi cantada na voz de Cartola: "...SIMPLESMENTE AS ROSAS EXALAM O PERFUME QUE ROUBAM DE TI.".


Ela é nome composto de rua em S. Paulo: MARIA ROSA; e nome de bairro também: ANA ROSA. O seu nome dá nome à centenas de milhares de Rosas pelo mundo afora. E isto tudo sem contar que é a cor símbolo das mulheres, apesar de muitas não gostarem por acharem que ela denota fragilidade: cor-de-rosa.


Rosa também é o tema do tecido jacquard que fiz para a marca de bolsas e calçados LENNY E CIA.


A base dele é o tafetá, com fundo e bordado em fios de lã nas cores off-white e preto.


Você pode conferir o resultado nesta linda carteira que - a propósito - já tem dona e o nome dela não é Rosa.

27 de set de 2011

Laços eternos. Enquanto durem


Os laços são feitos para serem desfeitos à qualquer hora e momento. Eles se originam da junção de duas pontas de uma mesma fita. E é o entrelaçamento destas pontas que transforma a fita em laço; laço este que se bem dado, não se desmancha facilmente. Assim é a vida. Assim é o nosso passado, o nosso presente e assim será o nosso futuro. Todos eles juntos, contarão a nossa história. Os laços do passado são os que transformaram a nossa pessoa naquilo que somos. Os laços do presente são aqueles que escolhemos e, por isso mesmo, nos responsabilizam a todo instante pelo que podemos ser. Os laços do futuro são aqueles que daremos (ou não) com os nossos netos, familiares e amigos que virão.


Agora chega de filosofar e vamos direto ao tecido Laços feito por mim para a designer Thais Gusmão. A construção dele é extremamente sofisticada. A base usada é o cetim invertido. Por que invertido? Invertido porque confere ao fundo um brilho opaco. Este tecido é na verdade a junção de dois tecidos, presos por fios em forma de  losangos. O resultado é um tecido matelassado, double-face, com os laços bordados em ambos os lados. Um verdadeiro luxo.


Luxo este que virou carteiras, bolsas, frasqueiras de viagem e lindos escarpins de bico arredondado. É uma pena que não tenha tirado nenhuma foto na época. Lembro-me que em visita à loja da estilista na Galeria Ouro Fino, no bairro Jardins, em São Paulo, a gerente confessou-me que as clientes gostaram tanto dos sapatos que uma delas levou - de uma única vez - o mesmo modelo em três cores diferentes. É este tipo de coisa que impulsiona o meu trabalho e faz com que eu queira continuá-lo mais e mais. E, se possível for, cada vez melhor.

24 de set de 2011

Adão não resistiu a ele. Nem a gente. Desejo


Atire a primeira pedra quem nunca sentiu desejo. A gente vive desejando isto e aquilo e aquilo outro também. E quanto mais a gente deseja, mais desejo a gente sente. É um saco sem fundo. Tem desejo que é consciente: está ali, na cara. Tem desejo que é inconsciente: a gente nem sabe que tem, mas tem. Desejo por bolsas, roupas, perfumes e até marido entra na lista . Qual é a mulher que não morre de desejo por uma bolsa nova; um vestido novo; uma maquiagem que acabou de ser lançada;  uma meia maravilhosa que não desfia nem a pau e que por isso mesmo custa o olho da cara. As mulheres têm a cara do desejo. Até parece que ele foi feito pra elas. O desejo anda de mãos dadas com a vaidade e a vaidade se alimenta dele. Não adianta fazer promessa, dizer que vai ficar um ano sem comer doce; a promessa acaba em pizza; de preferência: de brigadeiro com morangos (com ou sem chantili). Pois é. É disto tudo e mais um pouco o que fala a nova coleção Verão 2012 de Sarah Chofakian.


E pra alimentar um pouco mais o desejo, Sarah criou carteiras deslumbrantes com o tecido jacquard que desenvolvi para ela.



E sandálias belíssimas...


A meu ver, ele lembra muito aqueles azulejos espanhóis do século XVII e XVIII. O desenho traz elementos como o sol, a tulipa; lembra também uma mandala.

arte do tecido
testando cores
corrigindo detalhes

Das três variantes criadas - diga-se de passagem, todas lindas - uma foi a eleita: fundo rosado com bordados em framboesa; azul claro e cobre metálico.

 

Se você for mulher e ficou com desejo, não fique na vontade. Dê uma passada em uma das lojas da Sarah Chofakian e deixe-se levar por uma de suas criações. Você vai ter a sensação de ter entrado no Paraíso. E se você for homem e ficou na vontade de morder a Eva (perdão, a maçã), leve uma carteira de presente pra ela. Eva, Amanda ou Regina, ela vai querer ficar bem perto de sua costela.

22 de set de 2011

Para acalmar, faça como a vovó dizia: chazinho de erva doce


Não tem contra-indicação. Não tem efeito colateral. É tomar pra acalmar. A Alcaçuz seguiu a receita direitinho e fez este belíssimo tecido com a ilustração da pimpinella anisum, popularmente conhecida como anis ou erva-doce.


A construção do tecido é um capítulo à parte. Fizemos um sanduíche com dois tecidos sobrepostos, presos em alguns pontos, dando a ele o aspecto de matelassê.

as variantes de cores produzidas

Foram criados casaquetos e casacos 3/4, todos double-face, que sumiram rapidamente das araras das lojas, deixando algumas clientes muito nervosas por não conseguirem realizar o seu sonho de consumo. E numa hora destas, só mesmo tomando um chazinho de erva-doce pra acalmar.

20 de set de 2011

O Havaí é aqui

 

Vamos pegar uma carona no tecido prancha que a Santa Lolla fez para cobrir as paredes de suas lojas e também para fazer lindas sandálias ao estilo hawaiian dreams. Vamos começar falando das sandálias.


A concepção do produto é para surfista nenhum botar defeito. A base dela foi feita toda em palha presa por costuras, o que dá a sensação de estar pisando sobre uma esteira. A haste que segura o lenço, feito com o tecido jacquard de hibiscos, é de couro na cor ouro. Ou seja, o resultado final é rústico e chic ao mesmo tempo.


Utilizamos o mesmo tecido para cobrir as paredes das lojas. Desta forma, o cliente ao entrar na loja, entra também no clima da coleção. Todas as variantes de cores levam o tom off-white no fundo. São elas: verde malva; rosa antigo; vermelho tomate; e bege.


 Pra você que achava  que o Havaí estava muito longe, a gente trouxe ele pras lojas da Santa Lolla.

17 de set de 2011

Carta para Luciana


Lembra das antigas cartas? Lindas, com selos comemorativos de seus países de origem e o carimbo de postagem sobre o mesmo. Se pensarmos bem, isto reflete um estilo; uma origem; uma marca; um destino. Não gosto de ser saudosista, mas que o ato de enviar uma carta tinha lá o seu charme, ah, isto tinha. 

O tecido feito para a marca de bolsas COSMOPOLITA, POR LUCIANA PAIVA, remete - a meu ver - à figura do velho e bonito carimbo.

a arte do tecido

Ele foi construído para servir de forro para as suas bolsas. Durante  o tempo em que a marca o usou, produzimos o tecido em diversas cores, tais como café; preto; cinza claro e salmão. A base é um tafetá, com fundo e bordado tom-sobre-tom.


Abrindo essas velhas cartas, tive saudade desse trabalho que tanto encheu-me de orgulho. E como diz a música: "recordar é viver, eu ontem sonhei com você.".

entre os postais, a designer Luciana Paiva

15 de set de 2011

Os grafites que eu vi

Este é o primeiro post de meu blog que não mostrarei nenhum tecido feito por mim. Peguei a minha câmera e saí pela cidade fotografando os grafites que vi pela frente. Foi um belo exercício físico e de criatividade. Quero compartilhar com vocês as belezas encontradas nas ruas de muito movimento, e em locais ermos também.


Na volta, construí um texto-poesia em que procurei retratar o que encontrei.


Inspirado em tudo o que vi, arrisquei também um desenho.


Pra fechar o post, uma homenagem de Mariza Monte ao profeta Gentileza, grafiteiro da palavra.

13 de set de 2011

Narciso acha feio o que não é espelho

Narciso por Caravaggio em 1597

É isto mesmo. Narciso gosta mesmo é de se ver refletido em tudo o que encontra pela frente. Ele olha pra você, mas não lhe enxerga. Você fala e ele ouve o que quer. Você faz e ele interpreta o que quer. Pra Narciso, você só é interessante na medida em que reafirma aquilo que ele quer ver. Você - para ele - é (ou deveria ser) ele próprio. 

O papo é pra analista, porém o tecido de Bianca Ranucci é pra você  e mostra - bem ao gosto de Narciso - um rostinho bonito numa vastidão de outros mesmos rostinhos.

Narciso por Bianca Ranucci em 2009

Para onde você olha, só enxerga ele: o rostinho da boneca linda de nariz arrebitado e brinco de argola na orelha. Desenvolvemos diversas variantes de cores: todas elas lindas.

 
 
 

Quem vestiu as criações da Bianca e fez o maior sucesso na mídia (devidamente clicado na coluna NA FRENTE, do jornal O Estado de São Paulo) foi Danielle Winits.

 

Caetano Veloso fez uma linda homenagem à São Paulo - que eu amo com todos os seus incontáveis defeitos - na música Sampa, de onde extraí o título deste post.

 
 Narciso por Caetano Veloso em 1978

Veja o post. Escute a música. E se olhe no espelho. Você vai enxergar nele uma outra pessoa.

10 de set de 2011

As aves que aqui gorgeiam, não gorgeiam como lá


Sinfonia No. 1, em Lá Maior:

Lá é onde fica o tecido Pássaros feito para SATIKO + ISABEL. Uma verdadeira sinfonia de pássaros que usam os fios de alta-tensão para repousar, namorar ou repensar o próximo vôo.

a arte fornecida pelas designers

Como não sabem o perigo que correm, ficam ali passeando os olhos pela paisagem que os rodeia. Nós também - seres humanos - deveríamos ter os nossos fios condutores de energia para repousarmos de vez em quando ao longo de nossas cansativas viagens cotidianas, e nos abastecermos de coragem, força, fé e disposição para empreendermos novos vôos.

o tecido, sempre assinado com a logo da grife

Para fazer esta estampa, utilizamos de um recurso técnico chamado  marca d'água, que dá ao tecido o efeito de uma outra cor.

detalhe da aplicação da marca d'água

Das três variantes de cores desenvolvidas, duas foram as aprovadas: fundo amêndoa, com bordado em fios verde-musgo e fuccia; e fundo off-white, com bordado em fios verde-jade e púrpura.


Fizemos também uma segunda versão da estampa, utilizando apenas uma cor de bordado.


Agora que você já sabe a lição dos pássaros, dê uma paradinha neste fio logo aí à sua frente e confira o resultado deste trabalho. Depois continue o seu vôo, de preferência, sempre acompanhado, pois como diz o velho ditado, uma andorinha só não faz verão.