20 de jul de 2013

Flor de maio

José Júlio Sousa Pinto - O encontro

Eu procurei por você durante todo o mês e não lhe encontrei
Você nunca havia faltado a um compromisso se quer
Era só esperar e lá estava você, na hora e mês combinados
Não se faz isto a quem batizou com seu nome um mês de seu calendário
A partir de hoje, para mim, você não cheira nem fede
E se resolver voltar em outro maio qualquer
não serei eu a estar lhe esperando na estação,
segurando um buquê de flores na mão

A vida é cheia de encontros e desencontros. Chegadas e partidas. Idas e vindas. Nem sempre dá tempo de enviarmos um RSVP aos nossos convidados e - desta forma - muitas vezes vamos ao encontro de alguém que, por esquecimento ou descaso, não aparecerá jamais.

Para ilustrar a poesia FLOR DE MAIO apresentarei um tecido deslumbrante que desenvolvi e produzi para a marca de acessórios de luxo AYRA.


Ela foi utilizada na produção de bolsas e clutchs naquela estação.

A estampa foi construída utilizando-se fios de lã tanto no fundo como no desenho. Fizemos quatro variantes de cores, todas elas com o fundo off-white: preto; azul profundo; verde folha; e carmim.





O cenário escolhido para as fotos retrata o tema da estampa com bastante propriedade. Trata-se do Parque Burle Marx, localizado próximo à marginal Pinheiros, próximo à Ponte João Dias. Este parque "tem a sua origem vinculada ao processo de urbanização da área da antiga Chácara Tangará que compreendia uma área de 438 mil metros quadrados e localizava-se junto à Marginal do rio Pinheiros, no cruzamento com a Estrada Velha do Morumbi... Na década de 40, a Chácara Tangará era propriedade do empresário Baby Pignatari que resolveu construir uma casa para morar com sua futura esposa, a princesa austríaca Ira VonFurstemberg. Na época da construção ele contratou o arquiteto Roberto Burle Marx, que já era um talentoso e reconhecido paisagista para idealizar e realizar os jardins de sua residência projetada então por Oscar Niemeyer. No entanto, o casal se separou e a casa permaneceu inacabada durante muitos anos ...O produto deste trabalho é o atual conjunto artístico e paisagístico composto por uma escultura painel de alto e baixo relevo, jardins específicos, o pergolado e o xadrez, espelhos d'água, e uma composição de quinze palmeiras imperiais. A obra é datada de 1950 e passou por uma intervenção e restauração, realizada pelo próprio Burle Marx, em 1991." (texto extraído do site do parque).




























Este gramado tem duas cores e imita um tabuleiro de xadrez.







Detalhes "do jardim do maior paisagista brasileiro, Roberto Burle Marx, que abriga o espelho d'água com um conjunto de painéis escultóricos e palmeiras imperiais, além de um lindo pergolado..." (texto extraído do site do parque).






Em meio ao parque encontramos ainda um rastro de nossa história. Trata-se de uma construção em ruínas datada do século XIX, edificada com a técnica de taipa e pilão, muito semelhante à utilizada pelo denominado "Ciclo Bandeirista".





Estava fotografando a casa de taipa e pilão, enfiando as mãos por entre as grades que as cerca, quando fui surpreendido por este sagui subindo um tronco muito próximo de onde me encontrava. Exibido que só, pousou para a minha lente.



Esta mesa de madeira estava perdida embaixo do pergolado. As listras de sombra e luz que se formam sobre o tecido exposto são provenientes dos raios de Sol que incidem no pergolado







Recado do dia: O sucesso alheio joga na minha cara o tamanho exato de meu fracasso.


Nenhum comentário:

Postar um comentário