11 de out de 2012

O Pai Nosso, rezado por uma criança

ilustração: Charles Schulz

(*) tradução e interpretação: Beto Tozzi

Pai nosso que estais no céu
- Olha, pai, você poderia vir um pouquinho mais aqui na Terra.
Eu, meus pais e meu irmãozinho Arthur sentimos sua falta.
Se quiser, pode ficar hospedado aqui em casa.

Santificado seja o Vosso nome
- Olha, Pai, eu tô fazendo de tudo para não cometer mais pecado.
Meus pais andam dizendo que eu tô um verdadeiro santinho.
Confesso que estão exagerando um pouquinho.

Venha a nós o Vosso reino
- Nossa, Pai, o Seu reino deve ser maravilhoso!, mesmo: cheio de cachoeiras, muito verde, lindas montanhas...mas, sinceramente, não ando muito animado para conhecê-lo.
Acho melhor o Senhor mudá-lo para a Terra. De preferência, que a capital seja no Brasil.

Seja feita a Vossa vontade
- Tudo bem que o Senhor é quem manda em tudo e em todos.
Mas vamos fazer um combinado: de vez em quando, passe a vez para mim.

Assim na terra como no céu
- Tá na hora do Senhor se candidatar a presidente, porque aqui, entra um e sai outro, e nada sai do lugar: pelo menos não aqui em casa. Meu pai diz que vai pintar a fachada de casa faz um tempão mas, até agora, nada.

O pão nosso de cada dia nos dai hoje
- OK, pão francês é bom, meu Senhor. Mas inclua aí neste cardápio arroz, feijão e batata frita.
Sorvete e sonho-de-valsa de sobremesa.

Perdoai as nossas ofensas
- O Senhor sabe que eu não tinha a intensão de machucar meu irmão.
Mas ele tava me provocando.
O Senhor é testemunha!

Assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido
- Dá para deixar meu irmão de fora dessa?

E não nos deixeis cair em tentação
- Pai, me dê força para que eu aguante esperar até o Natal para ganhar o meu Playstation 3. Tá muito difícil.

Mas livrai-nos do mal
- Por favor, faça a tia Mercedes (minha professora na escola) largar do meu pé.
Que mal tem fazer uma colinha de vez em quando?

Amém
- Eu também concordo com o Senhor, Pai.

Eu fiquei pensando em que estória poderia inventar para apresentar a etiqueta CELINA DIAS BEBÊ. Foi quando me veio à cabeça o que um garoto, por volta de seus sete, oito, nove anos, pensaria, se deixasse o seu pensamento escapar enquanto rezasse a oração que o Senhor nos ensinou. Espero que não tenha cometido nenhum pecado.

A seguir, a etiqueta desenvolvida e produzida para a marca CELINA DIAS BEBÊ. Ela foi concebida sem nenhum pecado. Pelo menos, não que eu tenha visto.

Criei um cenário para fazer as fotos da etiqueta. Usei alguns papéis de carta em tom de azul para criar o mar; enrolei-os de forma a criar o efeito de ondas. Já para fazer a areia utilizei-me de farinha de trigo; e para fazer o efeito do sal brilhando ao reflexo dos raios solares, joguei um pouco de açúcar na parte superior das "ondas". Pronto, estava então criada a minha praia particular.



Certa tarde, fazendo um caminho não usual, deparei-me com uma rua de casas bastante humildes; na frente de uma delas, os moradores transformaram a porta da mesma em um mini-mercado. Achei que aquela penca de bichos infláveis trazia em si uma imagem bastante poética. Parei, pedi permissão e fiz as fotos.
Agora, fazendo o post, achei que elas entravam bem neste contexto lúdico, infantil. Escolha o seu bicho.


Nenhum comentário:

Postar um comentário