30 de jul de 2013

Sapiência


Caso você não saiba conjugar os verbos abaixo, é melhor voltar para a escola

Eu leio o que tu lês
Tu lês o que ele lê
Ele lê o que nós lemos
Nós lemos o que vós ledes
Vós ledes o que eles leem

Resumindo: Google

Eu ouço que tu ouves
Tu ouves o que ele ouve
Ele ouve o que nós ouvimos
Nós ouvimos o que vós ouvis
Vós ouvis o que eles ouvem

Resumindo: MP3

Eu como o que tu comes
Tu comes o que ele come
Ele come o que nós comemos
Nós comemos o que vós comeis
Vós comeis o que eles comem

Resumindo: Mac Donald's

Eu visto o que tu vestes
Tu vestes o que ele veste
Ele veste o que nós vestimos
Nós vestimos o que vós vestis
Vós vestis o que eles vestem

Resumindo: roupa made in China

Eu calço o que tu calças
Tu calças o que ele calça
Ele calça o que nós calçamos
Nós calçamos o que vós calçais
Vós calçais o que eles calçam

Resumindo: Nike. Just it.

Eu falo o que tu falas
Tu falas o que ele fala
Ele fala o que nós falamos
Nós falamos o que vós falais
Vós falais o que eles falam

Resumindo: inglês meia-boca

Eu viajo para onde tu viajas
Tu viajas para onde ele viaja
Ele viaja para onde nós viajamos
Nós viajamos para onde vós viajais
Vós viajais para onde eles viajam

Resumindo: depende da milhagem do cartão

Eu danço o que tu danças
Tu danças o que ele dança
Ele dança o que nós dançamos
Nós dançamos o que vós dançais
Vós dançais o que eles dançam

Resumindo: nas mãos do governo

Eu desejo o que tu desejas
Tu desejas o que ele deseja
Ele deseja o que nós desejamos
Nós desejamos o que vós desejais
Vós desejais o que eles desejam

Resumindo: tudo o que a Apple lança

Eu mando o que tu mandas
Tu mandas o que ele manda
Ele manda o que nós mandamos
Nós mandamos o que vós mandais
Vós mandais o que eles mandam

Resumindo: bobagem, quem manda na gente são as mulheres

O saber é sem dúvida a chave para a libertação do ser humano. Ele nos torna autônomos, senhores de nosso destino. Nos dá a capacidade de discernimento. Serve de alicerce para as nossas escolhas. Alimenta as nossas vocações. Faz-se instrumento para que nós - através do conhecimento adquirido - possamos ajudar os nossos semelhantes no caminho da verdade e da dignidade. A meu ver, não existe escravidão maior que a ignorância.

Escrevi SAPIÊNCIA para ilustrar o trabalho que desenvolvi e produzi para a marca de alfaiataria feminina CONTRACAPA.


O nome é sugestivo. Nos remete a livros. Capa e contracapa. Daí para escolher o cenário ideal para fotografar as etiquetas produzidas foi um pulo: fui com elas até a Biblioteca Mario de Andrade numa fria manhã de inverno.

Lá escolhi alguns livros antigos, todos eles vermelhos, sentei-me em uma das mesas de leitura e fiz as fotos. Confira o trabalho agora, capítulo por capítulo.

Este edifício foi inaugurado em 1942. Projetado pelo arquiteto francês Jacques Pilon, é considerado um marco da arquitetura Art Déco em São Paulo.






Foram três as etiquetas feitas. Uma delas maior para as peças de alfaiataria (blazers, sobretudos); outra menor para as camisas, blusas, calças e bermudas; e a terceira para as peças em edição limitada. As duas primeiras foram feitas em duas variantes de cores: fundo off-white e azul profundo; já a edição limitada apenas em fundo off-white, sendo o logo bordado em fiou dourado.
























































Recado do dia: Tem gente que usa o caminhão apenas para transportar mercadoria. Tem outros que o utilizam para transportar um carregamento de ideias.


A imagem que abre o post é uma iluminura do Evangelho Lorsch, ( 780-820), do período de Carlos Magno, do acervo da Biblioteca do Vaticano.